Barbie-cue (texto em português)

Perforamance de Santiago Cao com a colaboração de Maxi Lemos e Bernabé Arévalo.
20 de novembro de 2010. IMPA (Indústria Metalúrgica e Plástica Argentina), Buenos Aires, Argentina.
Festival de Performance “Zonadeartenaccion”.
Registros fotográficos por Paula Abad, Neryth Yamile Manrique e Santiago Cao.

Duração aproximada: 1 hora
(Para ver os registros fotográficos dessa Performance, fazer click na foto)


Registro Narrativo:

Ação Performática sobre machismo e o cânon de Beleza imposto às mulheres e homes pela sociedade de consumo.

Em um aquário de vidro transparente instalei mobiliário em miniatura, tais como mesas, sofás, cadeiras, lâmpadas. Dentro desse ambiente, várias bonecas da marca Barbie com vestidos feitos de carne, ficavam expostas em atitudes cotidianas, como se estivessem conversando entre si ou olhando através do vidro do aquário.

Vestindo com roupa “esporte fino”, caminhei entre as pessoas ali presentes carregando na mina mão uma Barbie em bandeja. Mostrava-la, exibia-la, oferecia-la aos possíveis compradores ao tempo que dos homes vestindo roupas de garçom carregavam revistas pornográficas e as ofereciam para essas pessoas convi­dando-as para ver o “Cardápio de Carnes”.

De fora, como voyeurs anônimos, as pessoas-clientes, podiam olhar o interior do aquário e escolher a sua Barbie pessoal. Pagando só 10 pesos argentinos (a moeda local) esta boneca era jogada fora. O cliente qui­tava-lhe o vestido de carne e o entregavam para outro homem que o assava numa churrasqueira. Como “comprovante de pagamento”, os clientes receberam um panfleto de publicidade de prostituição feminina (que nos dias prévios eu tinha recolhido de diferentes ruas de Buenos Aires). Após do vestido de carne se assar, um dos garçons colocava-se dentro de um pão e o Cliente comia seu sanduíche de Barbie. Ou como dizem nos Estados Unidos da América do Norte... uma Barbecue.